Toda história de sucesso teve um início…

Depois de viver quimicamente tratada pela Guanidina por vários longos da vida e perdendo a saúde dos fios a cada dia que passava, resolvi parar! Mas por onde começar?

 

 

Pedi ajuda a uma colega de ensino médio que assumiu suas madeixas de como proceder e rapidamente ela me inseriu em vários grupos no Facebook em que, pra minha surpresa, estavam com a mesma convicção que a minha: Voltar ao natural. Consequentemente estava dentro de umas fases mais difíceis quando se tem essa decisão: Estava em transição.
Que fase! Aqueles cachinhos da raiz se contrastando com as pontas espigadas que não respondia mais aos cuidados… Tantas dicas de como viver nessa fase tranquilamente, mas tantas que eu não sabia escolher e comprava tudo o que vinha pela frente afim de suportar longos meses tentando casar o cabelo com a auto estima.
E fiquei muito curiosa quando descobri o cronograma capilar e especificamente a etapa Nutrição, que utilizava óleos vegetais. Lembrei automaticamente de minha avó, que ao visitar sua casa no interior da Bahia usava óleo de coco licuri e trançava todos meus cabelos que desencorajava qualquer um pelo volume, hahaha.
Fui em busca desses óleos milagrosos, já que a maioria davam resultados excelentes. Minha primeira aquisição foi o óleo de castanha do Pará, que pra minha decepção tinha odor de óleo de soja sem cerimônia. Mas afirmavam que era óleo puro, quem era eu pra negar? Fui em busca de outra loja e de outro óleo: Semente de Uva. Coincidência! O mesmo cheiro. 🙁
Pesquisando na internet os benefícios dos óleos vegetais, fiquei super empolgada de utilizar um óleo verdadeiramente vegetal que trouxesse toda aquela maciez, brilho e força que prometiam nos blogs, e surgiu a ideia: Porque não fazer meus óleos?
Depois de meses de pesquisa, achei uma luz: Vendiam na Europa máquinas especificas para extração, e na Itália, país que eu iria passar minhas férias, havia um curso que ensinava não só a extração de óleos essenciais para aromaterapia, mas vegetais também. Era unir a fome com a vontade de comer!
Fiz o curso, comprei a máquina, voltei ao Brasil… Outra luta: Adaptar o conhecimento adquirido na Europa com as sementes do Brasil, como Castanha do Pará, Coco e Mamona. Foram longos meses estudando e quando depois de várias tentativas e muitas lágrimas, eis que surge uma gota de óleo depois de tantos giros! Aê!!!
E começou a produção, bem tímida, vendendo apenas para conhecidas… E essas conhecidas gostaram tanto dos resultados que foram passando umas para as outras, o famoso “boca a boca”. Em 7 meses de produção, as vendas que começaram com 4 clientes, passaram para 129, e hoje, tenho meu trabalho em aproximadamente 387 clientes (Os dados foram até Setembro de 2016 depois de um trabalho bem investigativo rsrs).
Se houve crescimento, foi devido a transparência e o comprometimento com qualidade dos óleos, sem adição de conservantes e incrementos que tantos os cabelos necessitam, além de possuir um canal de comunicação empático e agregador.
Em 2017, a Óleos da Mi fechou uma parceria com uma grande fábrica que possui uma vasta experiência na extração de óleos vegetais e essenciais e exportadora dessas matérias primas para Europa e EUA para poder trazer a Salvador e ao Brasil uma grande variedade de óleos vegetais, tornando assim uma grande fonte de produtos naturais de qualidade alinhado com preço justo. Mais um passo para beneficiar o mercado cada vez mais exigente e que prioriza uma rotina mais natural e saudável.
MISSÃO: Oferecer Insumos naturais, Óleos e Manteigas vegetais de qualidade e fiéis a sua origem
VISÃO: Torna-se uma das principais lojas virtuais e físicas de insumo de matéria prima
VALORES: Transparência, Integração e Honestidade